13 dezembro, 2008

A Insustentável Leveza do Ser

Nessas férias estou tentando atualizar meu acervo mental de filmes. Vi vários interessantes. Convém destacar e indicar alguns como "Um Sonho de Liberdade" com Tim Robbinson e Morgan Freeman. O filme recebeu 7 indicações ao oscar de 1994. Posso clássificá-lo sem medo como um dos dez filmes da minha vida até o momento. Vi outros interessantíssimos como o musical dark "Sweeney Todd - O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet" com mais uma ótima atuação de Johnny Depp. "10.000 a.C" é um ótimo filme de guerra e com uma bela história. E pra fechar a parte sobre cinema gostaria de indicar (principalmente pra quem gosta muito de música ou é músico) o filme "Apenas uma Vez" de 2005, que venceu o Oscar de Melhor canção original "Falling Slowly" com atuações impecáveis e canções maravilhosas de Glen Hansard e Marketa Irglová.

Quanto a leituras, acabo de terminar "A Insustentável Leveza do Ser" do tcheco Milan Kundera. Pela fama que a obra tem eu esperava mais. Contudo, gostei do livro, fiquei com uma imagem boa dela ao fim, apesar de todas as catástrofes e mortes que vão acontecendo nele. Destaque para a singeleza de Karenin, uma cadela que alegra os dias da jovem Tereza, mulher que sofre desde a infância com as atitudes maternas, e que se casa com Tomas, homem que a ama, mas que tem um forte impulso à traição. Entre outras discussões, principalmente filosóficas, sobre a vida, a leveza e o peso do ser, o eterno retorno de Nietzche, a obra trata da ocupação soviética na antiga Tchecoslováquia nos anos 60. Vemos Praga desfigurada pela invasão dos vizinhos, e percebemos o ser-humano perdido em meio ao seu país desfigurado, sua rotina alterada, e consequentemente, a busca da compreensão do próprio ser, que de tão insignificante se torna leve, porém insustentável.

Termino com uma citação interessantíssima, que nos leva a refletir sobre o poder do ser-humano sobre os animais, digo, pseudo-poder.
Abraços


"No começo do Gênese está escrito que Deus criou o homem para reinar sobre os passaros, os peixes e os animais. É claro, o Gênese foi escrito por um homem e não por um cavalo. Nada nos garante que Deus desejasse realmente que o homem reinasse sobre as outras criaturas. É mais provável que o homem tenha inventado Deus para santificar o poder que usurpou da vaca e do cavalo. O direito de matar um veado ou uma vaca é a única coisa sobre a qual a humanidade inteira manifesta acordo unânime, mesmo durante as guerras mais sangrentas".

"Esse direito nos parece natural porque somos nós que estamos no alto da hierarquia. Mas bastaria que um terceiro entrasse no jogo, por exemplo, um visitante de outro planeta a quem Deus tivesse dito: 'Tu reinarás sobre as criaturas de todas as outras estrelas', para que toda a evidência do Gênese fosse posta em dúvida. O homem atrelado à carroça de um marciano - eventualmente grelhado no espeto por um habitante da Via-Láctea - talvez se lembrasse da costeleta de vitela que tinha o hábito de cortar em seu prato. Pediria então (tarde demais) desculpas à vaca".

Kundera, Milan - A Insustentável Leveza do Ser. Rio de Janeiro, Nova Fronteira: 1983. Traduzido da edição francesa: "L'insoutenable Légérété de l'Être". Título original: Nesnesitelná Lehkost Bytí.

2 comentários:

Marco Hruschka disse...

Man, adorei as citações do Kundera!
Vou ler o livro assim que puder!
Abraços!

Aninha disse...

Há livros que simplesmente devem ser lidos mais de uma vez. Nesta obra-prima de Kundera — A Insustentável Leveza do Ser — , além de visitarmos a cidade de Praga (invasão russa em Tchecoslováquia), temos a especialíssima companhia de personagens incríveis, e também de Nietzsche, Parmênides de Eléia, Sartre e o mais maravilhoso: temos vez por outra o próprio escritor a nos fazer companhia.

Beijos