23 janeiro, 2009

O Vôo do Colibri


Olá pessoal, quero agradecer quem ainda vem aqui ler os meus textos, e obrigado pelos comentários, sejam eles feitos aqui pelo blog, ou via orkut, ou via msn.

Essa semana assisti a um filme excepcional chamado "O Curioso Caso de Benjamin Button". Quem puder assistir a esse filme, por favor, vá ao cinema. Ele recebeu 13 indicações ao oscar deste ano. É uma história maravilhosa!

Hoje posto um poema que escrevi em conjunto com meu amigo Marcho Hruschka. Espero que gostem. Abraços!!!

O Vôo do Colibri

 

Desolada e infeliz com minha vida

Coloco-me debaixo da água fria

A crer que nada mais me restaria

Pois em um ano nunca fora ouvida

 

Saio do banho toda esbaforida

Despejando arsenal de versaria

E no ápice total de alarvaria

Vejo-me no espelho refletida

 

Noto agora a beleza desta imagem

A rorejar aljôfar prateado

Sinto o meu coração descompassado

Pulsando a despertar alma selvagem          

 

Tez eriçada, rosto sem maquiagem

Ventre livre e o corpo embriagado

Doces curvas, regaço perfumado

Pura tentação à libertinagem

 

Num consciente ímpeto de loucura

Atiro-me ao espelho e sugo-me a alma

Dos conceitos me dispo por m’nha palma

Convido-me a gozar desta pintura

 

Com minha amante faço uma aventura

Toque, prazer, deleite que me ensalma

Satisfação perfeita que me acalma

Com meu novo amor sinto-me segura

 

Um comentário:

Marco Hruschka disse...

Quanto ao filme, um dos mais interessantes que já vi, também recomendo, é ótimo!
Quanto ao texto, sou suspeito em comentá-lo! Apenas digo que foi uma boa idéia que acabou também sendo bem desenvolvida em versos...