24 setembro, 2009

Victorium Vitae



O post anterior é uma música de Marcelo Camelo que conta mais ou menos a bronca de um amigo para o outro. Um sofre e não enxerga, o outro vê e pede para que ele sente e ouça os fatos!
Nesta vida fugaz, é preciso aproveitar cada luar que sorri à sua janela, para que ao chegar o dia de deixar este mundo, seu peito já saudoso possa sentir as palavras ditas nesta canção de Fábio Fernandes, meu grande amigo e escritor.
É a vitória da vida sobre o desânimo, do sorriso sobre a lamúria. E como diz Cartola, grande sambista e gênio na arte da vida: "A sorrir eu pretendo levar a vida, pois chorando eu vi a mocidade perdida.
Fico feliz em ter dado a sugestão para o nome que a canção leva.




Victorium Vitae


Me diz

o quão foi leve

a vida breve

que eu levei


Eu fiz

o tempo alegre

do sol a neve

sorri chorei


Eu fui humano

sem medo ou plano

certeza, engano

me apaixonei


Eu fiz amigos

dobrei os sinos

pelos franzinos

que eu amei


Eu fui a luta

penei labuta

peão e puta

não declinei


Eu fiz riqueza

vivi pobreza

e sobre a mesa

desesperei


Mas meu destino

bom ou cretino

diabólico e divino

fui eu que fiz


E satisfeito

de alma e peito

em calmo leito

descansarei


Fabio Fernandes

Um comentário:

Ana Amélia disse...

Adorei! A leveza dos versos e a musicalidade das rimas são sempre os meus preferidos!! Sucesso!