15 maio, 2010

L'HOMME QUI N'AVAIT PAS DE MAISON







E já frequente, volta a pira a visitar. A falar do estranhamento, do oco de-dentro, de formas e túnicas, de objetos das fétidas coroas, de reis...

dos próprios umbigos...


L’HOMME QUI N’AVAIT PAS DE MAISON

Do alto de suas divinas trindades, na cátedra de seus interiores, almoçam à clássica, talheres a requinte, pratos a custar centenas, conversas a enriquecer bueiros. Bolsas de valores, carros importados, ternos, vinhos, assuntos ditos masculinos. Cortinas com pérolas, cristais da Boêmia, vestidos de mãos francesas. Alta costura de entremeios perdidos. Temas dedicados às mulheres desde Eva. Linhas de alto calão, anzóis estrelatos.

No fino restaurador de ânimas famintas, há sussurrantes tilintares de porcelanas chinesas, murmurar quase nulo, perturbação mínima. Restaurante bem pago, impostos desviados. Benfazeja varanda, toque de sol em negrume espírito. O espaço externo do estabelecimento apacenta vontades vãs. Mas espírito bom se incomoda. Não com o sol que é o mais verdadeiro ser presente no tenro fim de manhã, mas ela, ali quieta, resignada, chora motores quebrados, sujos de sarjeta em chuva.

Acompanha robótica o gracejar das distintas moçoilas, insossas existências, faculdade cerebral inata. Plantas daninhas mostram-se em pérolas e diamantes para os cavalheiros, jumentos de suas gravatas. Só enxerga atividades encéfalas na criança, que se diverte com bolas coloridas na sua cadeirinha. A náusea vai aumentando, atingindo galáxias, buracos negros de inconformismo. E só ouvia as prolixas paroles.

Então ele apareceu, torpe de defecações morais, oriundo do mais puro pavor dentre eles. Não se sabe como entrou, por quem passou, e porque viera; mas estava ali, à ponta da mesa a olhar o menino, que sorria em retribuição e pedia, enfim, verdadeiros cafunés. Sorriam, crianças enfim encontrando reciprocidade. Ele dormia nas esquinas, nos frios bancos de esmolas. Um pedinte. Servia-se de sacos plenos de dores para recostar a cabeça. Só possuía um chapéu, presente de antepassados, e vestimentas rasgadas de desprezo.

Ébrio de quimera felicidade, o mendigo que levava a vida a desenhar arco-íris mentais, esperança plena, arriscava jogar ósculos imaginários de retribuição ao menino. A mesa entrou em choque existencial ao notar a mendiga presença. O puro face ao nojo. Todos viam a cena, o pequeno caucasiano, a entregar seu maior riso a um velho africano. Eram felizes verdadeiramente naquele ato, um, abastado de glórias do passado sanguíneo, o outro, castigado pelas estações, com o coração engarrafado, de onde tirava suas afeições, preenchendo seus sonhos. Ali ficaram minutos, telepatizando-se de corações festivos.

Porém, com um sinal de ordem de estado, vieram afastá-lo, para a fria aversão o expulsaram. Em segundos. Lá fora ficou, a rememorar os aviltamentos colecionados. Ameaçados pela crueza vil, decidiram partir antes mesmo de terminarem a abastada refeição. Parada, como que suspensa pela surpresa da cena, ela que antes robotizava, agora se regozijava olhando para o menino, seu próprio espelho em miniatura.

Mas, improvável dos improváveis, histórias daquelas criadas, contadas e reinventadas, deu a última volta. Minutos após, a guerrear com suas juntas, o pequeno herdeiro das riquezas da mesa, pleno de alegria, celebrou seus primeiros passos, sem que ninguém o notasse. Cambaleando passos, firmes entre sorrisos, passou por entre as grandes pernas, torres de marfim, obstáculos aos pequenos. Enfim ganhou a rua, e lá em direção ao mendigo foi. Quando se notou, haviam se encontrado, peito com peito, colo, braços e pernas.

Erupções de satisfação escorriam dos olhos do mendigo, amado como nunca, na singeleza de um abraço. Sentiu o corpo que tocava quente, devaneando, sonhou ter nos braços o filho que não vira, natimorto de época. Rememorou o velho pai, naquela cadeira de sempre, quando corria a buscar afagos no fim de tarde. A fantasiar suas alegrias, esqueceu de onde estava. Quando deu por si, era carregado para o meio da rua, dor no estômago, sangue vindo da cabeça. Em colo distante já fora o pequeno, a chorar desencontro indesejável. A voltar para o trono de sua raça.

3 comentários:

Ana Amélia disse...

Ê Luigi! Vc como sempre deixa meu intelecto transtornado! hehe.. Adoro seus textos pq eles me fazem refletir sobre uma série de coisas q ngm mais consegue. É quase como uma terapia.. uma forma de (re)avaliar o meu lugar e o meu modo de ver/compreender o mundo. E com este texto q acabo de ler não foi diferente.. Estamos vivendo uma época única, o mundo todo olhando para o continente renegado q sediará um evento de elite..é hora de pensarmos algumas coisas sobre nós, sobre a humanidade. Enfim, meu trecho preferido: "Servia-se de sacos plenos de dores para recostar a cabeça. Só possuía um chapéu, presente de antepassados, e vestimentas rasgadas de desprezo". Parabéns! :)

ludmille disse...

Meu caro, sempre surpreendendo..sou sua fã!!mais um de seus escritos encantadores, muito bem feitos, meus parabéns do novo!!

José Jesuíta disse...

vc se espessou muito bem no que tange ao preconceito racial, e com muita poesia. parabéns!